28/02/2014

BC: de onde eu blogo

Meu primeiro blog foi criado há 11 anos no desktop que dividíamos e ficava no terceiro quarto da casa, o qual chamávamos de quarto do computador. Nossa internet era discada e eu saía sorrateiramente da cama nas madrugadas para blogar. O Sem Formol foi criado há 6 anos, no mesmo quarto, em um computador um pouco mais moderno. Não tínhamos a mobilidade de hoje. Notebooks eram caros e carregar sua internet por aí quase um sonho. Portanto, eu sempre postava do mesmo lugar: aquele quarto que era sempre disputado pelos três moradores da casa. Também cheguei a blogar de computadores alheios e em lan houses, mas eram ocasiões raras.

Hoje, obviamente, temos muito mais mobilidade. Esse texto está sendo escrito do meu notebook, na rodoviária de Ribeirão Preto, enquanto espero meu ônibus e o post provavelmente será finalizado em casa, na minha (nem tão) boa e velha escrivaninha, que vocês verão mais adiante. Desde que ganhei meu primeiro notebook, as possibilidades se multiplicaram e já postei de muitos lugares diferentes, inclusive de quase todos os cômodos da casa e do apartamento. Também já postei do celular e do tablet, mas gosto mesmo é de escrever meus textos no computador, de preferência em uma das minhas escrivaninhas.

Ter duas casas tem dessas vantagens: tenho duas escrivaninhas. Como blogo igualmente de ambos os lugares, decidi mostrar os dois para vocês.

Home office do apartamento

É a parte mais importante do apezinho: um canto da minha pequena sala onde ficam uma escrivaninha, uma cadeira e um gaveteiro. É aqui que blogo, estudo (muito!), escrevo para a Revista 21, uso o computador para ler e perder tempo nas redes sociais e até faço minhas refeições, já que não tenho mesa.


Apartamento de estudante é assim mesmo: um apanhado de coisas que a gente arranja, ganha ou compra aos poucos. Quando me mudei, levei parte da mesa do computador de casa e comprei essa cadeira. A lixeira comprei semanas depois quando percebi que não ia rolar ir à cozinha sempre que precisasse jogar algo no lixo. Os gaveteiros e a caixa de poá surgiram da necessidade de mais espaço para as minhas coisas. A régua elétrica e a luminária também vieram depois e não sei como vivia sem elas antes. Ainda fico aflita com a bagunça dos fios, mas não há o que fazer.


O mousepad e o mural de cortiça em forma de nuvem foram feitos por mim. O passarinho nervoso foi brinde de ovo de páscoa e meu minion Jerry é do McLanche Feliz porque sou dessas. O fusca azul foi presente do namorado. A caneca do Homem de Ferro é da LESSP.

Penso em fazer um varal de fotos na parede do balcão, mas tenho medo do excesso de informações. Ainda quero comprar um apoio para o computador, porque nessa posição, acabo sempre com dor nas costas e no pescoço depois de usa-lo por muito tempo.

Home office da casa

Confesso que não gosto dessa escrivaninha. Acho o projeto muito mal feito, ela é alta demais e o espaço é muito mal aproveitado. Apesar disso, guardo certo afeto por ela: foi nela que estudei sozinha para o vestibular.


Assim como em São Carlos, minha escrivaninha tem mais de uma função. Como meu quarto é pequeno e eu tenho três móveis muito grandes (ela, a cama de casal e o guarda-roupa), ela também faz as vezes de penteadeira (viram o espelho ali no cantinho?) e criado-mudo. Ao lado da cama, deixo cremes que gosto de passar antes de dormir e os livros e revistas que estou lendo. Na "esquina", ficam minhas bijuterias no organizador que ganhei do Lu e meus acessórios de cabelo na caixinha forrada com contact. Maquiagem e outros cosméticos, chapinha e secador ficam nas gavetas.


O mural era uma placa de metal que ia para o lixo e resolvi reutilizar, usando contact. A placa de carro tenho desde que nasci e ganhei do meu tio. Aqui tem mais brindes do McLanche Feliz (o Seu Madruga) e de ovo de páscoa (o Scrat d'A Era do Gelo). Meus livros ficam organizado por cor, já que são poucos e eu gosto do degradê. Os da prateleira de baixo são os que ainda lerei. A caixinha branca, a caneca e o porta-retrato de poá foram cobertos com contact porque contact é muito amor nessa vida. O álbum de fotos foi presente da Lari.



Espero que vocês tenham gostado dos meus cantinhos blogueiros. É tudo muito simples e ainda está longe de ser o home office dos meus sonhos, mas trato esses espaços com muito carinho e cuidado. 
Esse post é um oferecimento do Rotaroots, grupo de blogueiros saudosistas que tentamos resgatar o melhor da blogosfera de raiz. Para ler outras blogagens coletivas e memes rotarooticos, acesse a tag: Rotaroots.