27/02/2013

Livro: Morte Súbita, J.K. Rowling

Como todo fã de Harry Potter, também fiquei eufórica com a notícia de que J. K. Rowling lançaria um novo livro. Não me importava se fosse uma nova saga infanto-juvenil ou um livro adulto (ou um livro infanto-juvenil ou uma saga adulta), eu gostaria de ler da mesma forma. Felizmente, eles anunciavam um romance adulto. Não sei se eu teria saco paciência para ler outra saga. Além do mais, como todo mundo, estava curiosa se J. K. teria o mesmo talento para escrever um livro adulto.

Sem dúvidas, acho que o talento dela está comprovado em Morte Súbita. Como vocês já devem ter lido em dezenas de lugares, ele nada tem a ver com Harry Potter e não poderia mesmo ter. Suas semelhanças se limitam à autora e a forma como ela escreve. Ambos têm muitos personagens e têm como protagonista um adolescente um tanto quanto problemático (porque, para mim, o protagonista de Morte Súbita não é e nunca foi Barry Fairbrother, sempre foi Krystal Weedon).

Harry Potter é uma série de livros infantis, cuja história fantástica amadurece junto com o leitor e seus personagens principais, que enaltece a bondade, o amor e a amizade e tem um final feliz. Morte Súbita é um romance adulto, volume único, nada fantasioso, com temática pesada e linguagem idem. Minha opinião é muito parecida com a que li no Por Mais Uma. O livro é realmente muito pesado. Ele trata de temas polêmicos e tabus tais como política, pobreza, drogas, violência, estrupo, pedofilia, homossexualidade, entre outros. No final das contas, achei exagerado. Além disso, o livro tem muitos personagens e todos eles (ou a maioria) são extremamente densos e complexos.

Achei o livro muito bem escrito e o enredo muito bem amarrado. A princípio, estava achando a narrativa bastante chata mas era preciso uma introdução enorme para apresentar os personagens principais mesmo. Com o passar das páginas, a história vai ficando cada vez mais interessante e o livro mais difícil de largar. Se você tiver oportunidade, com certeza vai virar noites ou passar um dia inteiro lendo. No final, o livro fica bastante dinâmico. Devo dizer que ele foi me ganhando gradativamente e que acabei gostando mais do que imaginava. Se, por volta do meio do livro, eu o pretendia avaliar com 3 estrelas (regular) no Skoob, acabei avaliando-o com 4 (bom).

Li opiniões bem divergentes a respeito de Morte Súbita e sei que o fato de ele ter sido escrito por J. K. pode atrapalhar muito o julgamento das pessoas. Há quem ame tanto a autora que mesmo não tendo gostado do livro jura que ele é uma obra prima. Há quem ame tanto o universo de Harry Potter que tenha se decepcionado ao dar de cara com uma história totalmente diferente. Há quem não goste de Harry Potter e leu o livro só para criticar J. K., independente se gostou ou não.

Acho que J.K. provou que ela é uma boa autora, que escreve bem, independente do gênero que escolher. Acho que ela nunca mais vai escrever um sucesso como a série Harry Potter, mas isso não significa que ela não é capaz de criar novas boas histórias e escrever novos bons livros. Eu, pessoalmente, acharia um desperdício se ela tivesse parado na série, ou se ela parar em Morte Súbita. Tia Joana Catarina, nós queremos mais!

do instagram @guedss
P.S.: A editora Nova Fronteira caprichou muitíssimo no livro. A capa é de um material super gostoso ao toque e as páginas são de um papel especial da International Paper que promete (e cumpre) maior conforto visual por refletir menos a luz.


Esse post é especialmente dedicado à minha amora Tety, que não só compartilha do meu amor por Harry Potter, como também me presenteou com esse exemplar.