20/02/2013

Defifé

Só hoje percebi que já fazia um bom tempo desde o último post por aqui. Claro que cinco dias não é um intervalo tão grande para o Sem Formol, mas sem dúvidas é muito tempo por se tratar de fevereiro, de férias, quando geralmente há um post a cada 3 ou 4 dias. Em janeiro, postei por aqui nada menos que nove vezes. No ano passado, foram oito posts em janeiro e sete em fevereiro. Entrando nos últimos dias do mês (e também das férias), só postei três vezes por aqui.

As explicações, como sempre, são muitas. Ou quase isso. Uma delas é que comecei a colaborar num dos meus blogs favoritos, o Vida Organizada, e passei mais tempo do que o normal escrevendo meu primeiro post por lá. Acho que é normal. Quando escrevo no Sem Formol, é mais natural, sai mais fácil. Claro que eu me importo com a qualidade do texto, do conteúdo, mas tenho menos preocupação. Postando para outro blog, pela primeira vez, confesso que fiquei nervosa e tive certa dificuldade. Queria fazer um bom texto, passar dicas interessantes e verdadeiramente úteis; dar a minha cara, mas também não fugir do estilo do blog. Queria, principalmente, agradar aos leitores de lá que não conheço bem quanto os leitores daqui. Espero ter conseguido. O resultado você lê por lá, um post com dicas de volta às aulas para estudantes universitários que moram fora, como eu.

Mas é claro que esse post não me ocupou tanto assim que eu não pude postar por aqui. A outra explicação - que envolve vários pequenos motivos - é o final de férias. Primeiro, porque o fim das férias é parte desse período de transição entre dias mais ociosos e dias mais ocupados. Você tem que se organizar para voltar às aulas, se preparar para voltar à velha rotina ou, muitas vezes, para criar uma nova. No meu caso (e de tantos estudantes mundo afora), ainda tenho que me organizar para voltar à cidade onde estudo.

Além do mais, é aquele período em que queremos fazer tudo aquilo que planejamos para as férias e ainda não fizemos. Eu, por exemplo, ainda tenho filmes gravados aos quais não assisti, ainda não terminei de ler "Morte Súbita", ainda tenho uma porção de coisas para organizar no computador e queria ver as meninas mais uma vez antes de ir para São Carlos (o que fiz ontem).

Tudo isso com um agravante. Um não, dois. O primeiro é a preguiça. Não sei se isso é um mal de fim de férias porque não me lembro de isso ter acontecido antes. Talvez seja um mal dessas férias em específico. Mesmo tendo tido dias bastante produtivos ultimamente, estou bem preguiçosa. É sentar em frente ao computador para perder horas e horas em redes sociais ao invés de organizar os meus arquivos, atualizar meu Google Calendar ou postar por aqui. É sentar para ler e ficar com sono, lutar por algumas páginas até finalmente ceder e ir tirar um cochilo. É pegar a agenda na mão para inventar uma desculpa para não usá-la. É férias, aproveita, você tem o direito de ser preguiçosa agora. Quando as aulas começarem, não vai poder mais perder a tarde toda dormindo ou a madrugada na Internet. É o que eu me digo toda vez que começo a me cobrar demais. E isso me leva a outro agravante.

A defifé. Depressão de fim de rias, para quem, como eu, tem vinte e poucos anos e assistia Disney CRUJ. As férias estão acabando e, por mais que eu as tenha achado longas demais e esteja sentindo falta de São Carlos, do meu apartamento e até da faculdade, dá aquela depressãozinha. São os últimos dias de "liberdade", de dormir muito e dormir tarde, de não ter que andar de ônibus ou ir à aula, de ir tomar sorvete em plena segunda-feira à tarde, de perder tempo sem culpa em coisas inúteis e de cochilar assistindo Friends. Na ânsia de não perder tudo isso, dá vontade de fazer tudo de uma vez. Quero dormir muito, cumprir tudo o que tem nas minhas to do lists e fazer minha mala num mesmo dia. Ainda quero que sobre tempo para postar no blog e jogar Candy Crush Saga.