28/05/2010

Dicotomia

Ah, como eu falei sobre vestibular por aqui! Vocês acompanharam todos os dramas, desde a escolha do curso até a aprovação mais desejada. Porém, depois do resultado da Fuvest e tudo o mais, quase não fiz posts sobre minha vinda pra cá (= São Carlos). Os últimos meses foram incrivelmente agitados. Minha vida virou de cabeça para baixo e eu tive pouquíssimo tempo para me acostumar, para teorizar e verbalizar o que eu sentia e o que acontecia. Ainda sinto que não sei colocar tudo em palavras, mas gostaria de tentar.

O resultado do vestibular em si foi uma surpresa. Mesmo. Tem gente que acha que eu faço certo drama quando digo isso, mas não é. De fato, a Fuvest me parecia um sonho distante. Ninguém do meu colégio conseguiu, por que eu haveria de conseguir? O vestibular mudou muito de um ano para o outro, me faltavam muitos conteúdos e eu estudei sozinha (e confesso que nem sempre eu conseguia vencer minha preguiça/irresponsabilidade/imaturidade e estudar decentemente). Como diz meu pai, eu encarei o vestibular sozinha mesmo; embora ele, minha mãe e a Cúpula (= Tety e Lari) tenham sido grandes apoiadores.

De qualquer forma, não importam os porquês e os precedentes, ter passado me deixou muito perdida. Tive que decidir entre USP e UFTM do dia para a noite literalmente. Apesar do mesmo curso, apesar de ambas serem excelentes universidades públicas, eram realidades muito diferentes. Uberaba me atraía pelas facilidades: é mais próxima de São Joaquim, conheço muito mais gente lá e já tinha lugar para morar e carona todo final de semana... Ahhh, mas São Carlos... Confesso que nem pensei na fama da cidade, da EESC ou do CAASO, muito menos no Tusca! A USP era um sonho desde que ouvi falar pela primeira vez nela, com todos aqueles superlativos.

O mais bizarro de tudo é que a matrícula e as primeiras semanas se passaram como se eu estivesse anestesiada ou algo assim. Sem ansiedade, sem euforia, sem taquicardia. Eu estava assustada com toda essa realidade nova, preferia não pensar no que viria. Meu medo de ficar ansiosa e nervosa demais me impediu de viver intensamente um dos momentos que prometia ser um dos melhores da minha vida. Uma pena.

Com o passar do tempo, eu fui me sentindo mais em casa, botando os pés no chão, abrindo os olhos e contemplando a minha nova realidade. Sem sustos. Sem muito tempo para me adaptar também, mas com maior aceitação. Eu já tinha me jogado, já tinha decidido que era isso o que eu queria. Agora, era aproveitar como desse.

A cada dia que passa, eu gosto mais de São Carlos. Não só da cidade, não só do campus (ou melhor, dos campi), não só da universidade. Gosto até mesmo das terríveis aulas de Cálculo I. Gosto da rotina cansativa - embora ainda não tenha me adaptado! Gosto das pessoas. Melhor ainda: começo a me sentir em casa e volto a ver São Joaquim como casa também. Realmente sinto que tenho duas casas. Completamente diferentes, mas ainda assim, minhas.

Queria falar melhor de cada um dos aspectos dessas mudanças, queria falar mais sobre tudo isso aqui. Mas eis que tudo isso aqui me toma muito tempo e energia!
foto roubada da Ana Carol ;)