15/11/2009

Olha mãe, meu narigão no jornal!

Lembram daquele post sobre preconceito do mês passado? É sobre ele que vou falar hoje!

Em 2007, preconceito foi o tema da redação do Enem e eu escrevi toda a dissertação em cima das ideias daquele post. Foi a pior nota que eu tirei em redação na minha vida. A correção é feita com base em cinco competências, sendo uma delas o respeito aos valores humanos. Foi exatamente nela que eu fui mal, tirei nota abaixo da média. Acontece que eu abordei o tema por uma ótica polêmica. Eu não fui no clichê "preconceito é ruim". Mas, provavelmente, os corretores não entenderam meu ponto de vista. Portanto, fica a dica: ser criativo é, sim, muito importante, mas tomem cuidado com a prova do Enem! Eles são muito exigentes com essa questão dos valores humanos e se parecer que você não os respeita, você pode perder pontos. Deixe pra expor pontos de vista polêmicos e inovadores nas provas da Unesp, Fuvest, Unicamp, onde você tem mais chances de ser compreendido.

Só a título de curiosidade, no ano seguinte, a proposta de redação dizia respeito à preservação da Amazônia - mais clichê impossível. Nesse ano, eu fiz 89 pontos. Não me lembro direito, mas acho que eu defendi a importância da floresta na regulação do clima mundial, relacionando o tema com aquecimento global, além de elaborar algumas propostas de desenvolvimento sustentável na conclusão. Eu pude ser criativa, mas dei uma controlada na ousadia e abusei mais do meu (pouco) conhecimento do que do meu (ainda menor) poder de persuasão.


Eu também queria contar pra vocês que esse textinho foi publicado no Jornal Vitrini (daqui de São Joaquim da Barra). Acontece que eu sempre li a coluna sobre educação do jornal e acabei por descobrir a colunista Alessandra Cunha no Twitter. Ela foi uma fofa, visitou o Sem Formol, gostou do texto e se ofereceu para publicá-lo na coluna dela. Mesmo ficando com um pouco de vergonha do meu textinho amador, a vaidade é uma coisa incrivelmente forte e eu adorei a ideia a ponto de ficar no portão esperando o mocinho trazer o jornal na sexta-feira.

Ah, e vocês provavelmente não sabem, mas esse é meu segundo texto publicado em um jornal local. Em 2005 (eu tinha 14 anos), participei de um concurso de redação da Netsite/CTBC e fiquei em primeiro lugar. O jornal A Voz publicou a notícia e o texto. Infelizmente, eu não achei o jornal para mostrar para vocês. Naquela época eu já era blogueira e chatinha o suficiente pra fazer um texto todo opinioso e um tanto pessimista (mas que me rendeu um Playstation!).